EconomiaRio Grande do Norte

RN tem superávit comercial em 2020 de US$ 159 milhões

O difícil ano de 2020 não impediu que o Rio Grande do Norte tivesse saldo positivo no índice final da Balança Comercial. Dados do Sebrae/RN apontam que o Estado encerrou o ano da pandemia com superávit de superávit de US$ 159,4 milhões, montante que é 42% menor que o de 2019 – US$ 226,9 milhões -, no entanto, acima dos saldos dos três anos anteriores (2016, 2017 e 2018).

No comparativo 2020 e 2019, somente as importações registraram alta (+7,4%). As exportações foram menores em 13, 9%, resultado que levou o RN a subir uma posição no ranking das Unidades Federativas que mais exportaram, passando a ocupar o 21º lugar. Os dados foram divulgados pelo Sebrae no Rio Grande do Norte no final de janeiro constam no Boletim de Comércio Exterior.

As exportações potiguares influenciaram decisivamente para que a balança comercial do estado fechasse o ano com saldo positivo. O Rio Grande do Norte chegou a exportar um volume de US$ 339,9 milhões. Apesar de ser 13,9% menor em valores em comparação com os resultados de 2019, o volume não deixa de ser expressivo para um ano marcado por uma pandemia, que afetou inclusive os envios de melão para o exterior.

A fruta fresca continua sendo o carro chefe das exportações potiguares e teve uma queda da ordem de 18,5% em doze meses, atingindo um total de US$ 95,2 milhões. Em 2019, as exportações da fruta somaram quase US$ 117 milhões. O segundo item mais vendido no mercado internacional foi o fuel oil, cuja negociação chegou a US$ 58,6 milhões, seguido das melancias frescas, com volume de US$ 32,5 milhões, e, depois, o sal (US$ 28,5 milhões). Esses produtos tiveram como principais destinos os Estados Unidos, Cingapura e Holanda, que foram os três principais parceiros comerciais do Rio Grande do Norte em 2020 no que se refere à compra de mercadorias.

Por outro lado, as importações anuais tiveram um crescimento em 2020 e registraram uma alta de 7,4% em relação a 2019, passando de US$ 167,9 milhões para US$ 180,3 milhões. Com isso, o Rio Grande do Norte teve o terceiro maior crescimento nas importações entre os estados nordestinos, ficando atrás apenas do Piauí e de Alagoas. Os três principais países de origem dos produtos importados pelo RN no último ano foram, respectivamente, a Argentina, os Estados Unidos e a China.

A alta nas importações foi puxada pela compra de trigo e misturas com centeio, que são importados principalmente da Argentina. Esse item somou um total de US$ 59,9 milhões da pauta importadora potiguar. O segundo item mais comprado no mercado internacional foi o coque de petróleo (US$ 4,2 milhões), seguido do polietileno (US$ 4,1 milhões).

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo